Escrever Bem

   
Pautas INCorporativa
  SetaSALA DE IMPRENSA FB
 
 
Release
Bookmark and Share      

08/10/2020 - 17:31 - DOC Press
Importações e exportações de dispositivos médicos crescem 21,2% e 16,8%, respectivamente, no primeiro semestre
Importações e exportações de dispositivos médicos crescem 21,2% e 16,8%, respectivamente, no primeiro semestre - DOC PRESS

China foi o principal país exportador para o Brasil e os Estados Unidos o principal país de destino dos produtos nacionais ...

Siga as #pautas no Facebook e Twitter         www.pautas.incorporativa.com.br
Dados do Boletim Econômico da Aliança Brasileira da Indústria Inovadora em Saúde (ABIIS) revelam um crescimento de 21,2% na importação de dispositivos médicos, no primeiro semestre, em relação ao mesmo período do ano passado. Foram comercializados US$ 3,1 bilhões. As exportações somaram US$ 338 milhões, um crescimento de 16,8%, no período em questão. “A balança comercial do período ficou deficitária em US$ 2,8 bilhões, mostrando que a pandemia causada pela Covid-19 se refletiu no aumento de 21,8% no déficit da balança comercial do setor”, afirma o documento. No mesmo período, a produção doméstica caiu 27,1%, com o fechamento de mais de 5 mil postos de trabalho.
Foram os produtos diretamente ligados ao combate da Covid-19 os mais comercializados. Os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) tiveram alta de 1.929% nas importações e de 2.802% nas exportações. Reagentes e Analisadores para Diagnóstico in vitro foram importados 32% mais e exportados 82% acima do que nos seis primeiros meses de 2019. As importações de Mobiliário Hospitalar subiram 19%, enquanto as exportações cresceram 81%. E Demais Equipamentos de Uso Hospitalar tiveram alta de 37% nas importações.
Por outro lado, os segmentos mais prejudicados pelo cancelamento de procedimentos médicos não relacionados à pandemia foram: oftalmologia (queda de 38% nas importações), cardiovascular (queda de 30% nas importações e queda de 49% nas exportações) e equipamentos para laboratório (queda de 34% nas exportações).
A China é o principal país exportador de dispositivos médicos para o Brasil, com compras no valor de US$ 818,6 milhões, no acumulado de janeiro a junho de 2020. Isso representa 26% do total. Os Estados Unidos ocupam o segundo lugar (17%) e a Alemanha o terceiro (13%). Cerca de 96% das importações brasileiras de EPIs, vieram da China, o que, em valor representou US$ 315 milhões.
Os Estados Unidos compraram do Brasil o total de US$ 91 milhões em dispositivos médicos, no primeiro semestre, o que representa 27% do total. China aparece em segundo lugar, com 9%. Os países vizinhos da América do Sul vêm em seguida: Argentina com compras de US$ 24 milhões (7%), Paraguai, US$ 18 milhões (5%) e Colômbia, US$ 17 milhões (5%). Entre os segmentos específicos, se destacam as compras norte americanas de US$ 42,3 milhões em Reagentes e Analisadores para Diagnóstico in vitro brasileiros, que corresponderam a 40% do total exportado desse produto.

Consumo Aparente
Somando as importações (+21,2%) com a produção nacional (-27,1) e eliminando o que foi exportado (+16,8), o consumo aparente de dispositivos médicos caiu 3,5% no Brasil, nos seis primeiros meses de 2020, na comparação com o mesmo período do ano passado. Os segmentos que mais sofreram queda de consumo foram próteses e implantes (-23,7%) e materiais e equipamentos para a saúde (-12,9%).
O Boletim Econômico ABIIS é desenvolvido pela Websetorial Consultoria Econômica.
Data de inclusão: 08/10/2020
Fone: (11) 55338781
Contato: José Luchetti
Empresa: DOC Press
Entrar em contato: Entrar em contato
Grupo editorial: [Economia e Finanças][Internacional][Saúde ]
Este Release foi visto 71 vezes

 

Assessoria de Imprensa
LOGIN -  Inserir Release
Cadastrar Assessoria
Receber Clipping

 

saibamais

 

Clipping para Editores
Cadastrar Midia
Alterar cadastro de Midia
 
 
 
 
 
 
 
 
   
   
       
       
       
 
       
 
Institucional Quem Somos
Como funciona
 
Nas Redes Sociais  
Facebook
Linkedin
Twitter
 
Todo o conteúdo divulgado decorre de informações advindas das fontes mencionadas, sendo, portanto, de responsabilidade exclusiva da fonte ou do autor, não cabendo à INC Comunicação, à Revista ou Pautas INCorporativa responsabilidade por citações, teor, exatidão ou veracidade do conteúdo, produto ou serviço divulgado. Indicação de publicações são apenas para divulgação, não sendo avaliados por este veículo de comunicação.