Escrever Bem

   
Pautas INCorporativa
FB   SetaRANKING SetaSala de imprensa SetaBusque Assessorias
 
 
Release
Bookmark and Share      

11/07/2018 - 10:36 - EPR Comunicação Corporativa
SearchInform fornece lista de vazamentos de dados de junho de 2018
SearchInform fornece lista de vazamentos de dados de junho de 2018 - EPR COMUNICAÇÃO CORPORATIVA

Companhia destaca os maiores vazamentos de marcas mundiais, coleta ilegal de dados biométricos, foldering para a comunicação entre cúmplices e ainda multas por vazamentos de dados antes e depois da entrada em vigor do GDPR  ...

Siga as #pautas no Facebook e Twitter         www.pautas.incorporativa.com.br
Serviço Britânico de Impostos coleta dados biométricos ilegalmente

Desde janeiro de 2017, o Serviço Britânico de Impostos e Alfândegas coletou 5,1 milhões de amostras para identificação de voz de seus contribuintes através da autenticação de usuário Voice ID. Durante o lançamento do serviço, foi dito que os clientes poderiam escolher o meio pelo qual seria feita a confirmação de sua identidade. No entanto, a organização de direitos humanos Big Brother Watch descobriu que, ao ligar para o call-center, não há opção: é solicitada aos clientes uma gravação de voz.

No site do serviço não há instruções sobre como recusar essa gravação. Funcionários da Big Brother Watch descobriram através de testes que a única maneira, é dizendo “não” três vezes durante a ligação. Para formalizar a recusa do uso da identificação de voz, é necessário passar por um procedimento demorado, mas mesmo depois disso, o serviço continua armazenando a gravação de voz.

Defensores dos direitos humanos exigiram explicações, mas o serviço se recusou a informar como a gravação de voz poderia ser excluída do banco de dados. De acordo com a Big Brother Watch, o serviço viola as regulamentações sobre proteção de dados do GDPR. Após a publicação da organização de direitos humanos, o Gabinete do Comissário da Informação Britânico (ICO) interveio.

Ex-chefe da sede eleitoral de Donald Trump usava foldering para se comunicar com cúmplices

O ex-chefe da campanha presidencial dos EUA, Paul Manafort, recebeu novas acusações. O consultor político é acusado de pressionar testemunhas. Ele lhes enviava mensagens através dos aplicativos Telegram e WhatsApp, e também usava o método foldering para sua comunicação. Durante o segundo semestre de 2017, Paul Manafort foi indiciado em 12 acusações, incluindo lavagem de dinheiro, sonegação fiscal, conspiração contra os EUA, corrupção e tentativas de envolver membros do Congresso dos EUA e políticos europeus em esquemas criminosos. Desde então, ele estava em prisão domiciliar.

As tentativas de Paul Manafort de intervir no depoimento de testemunhas no processo criminal sobre o lobby dos interesses da Ucrânia nos Estados Unidos tornaram-se motivo para uma nova acusação e mudança da medida preventiva de prisão. A investigação sugere que o consultor político tentou convencer as testemunhas a dar falso testemunho. Para as negociações, os membros do conluio usavam uma única caixa de e-mail. As informações nele contidas eram transmitidas através do um método chamado foldering: os participantes do diálogo salvavam os e-mails na pasta de rascunhos em uma caixa compartilhada. Os investigadores confirmaram o conluio com a ajuda de registros de chamadas telefônicas e mensagens encontradas no armazenamento em nuvem de Paul Manafort.

“Os agentes infiltrados que usam este método acreditam que é suficiente excluir o e-mail da pasta de rascunhos depois de sua leitura. No entanto, se um sistema DLP estiver instalado na empresa, a mensagem criada será interceptada, independentemente de ter sido excluída ou não”, – disse Vladimir Prestes, Sócio-diretor da SearchInform no Brasil.

Empresa francesa Optical Center é multada em 250 000 euros por vazamento de dados

Em 7 de junho de 2018, a agência francesa de proteção de dados CNIL (Comissão Nacional de Informática e Liberdade), anunciou oficialmente sua decisão pela aplicação da multa de 250 000 euros à empresa Optical Center, já que a mesma não poderia garantir a proteção dos dados de seus clientes.

Durante a verificação, os profissionais da CNIL descobriram que era possível acessar contas de clientes inserindo várias URLs na barra de endereços do navegador. Entre as informações comprometidas estão nomes e endereços de clientes, endereços postais, informações sobre o quadro de saúde (correção oftalmológica), e também números do seguro social. No momento do incidente, o banco de dados da empresa continha mais de 300.000 documentos.

Os representantes da CNIL salientaram que era necessário divulgar sua decisão, já que o número de vazamentos de dados aumentou significativamente nos últimos anos e é preciso aumentar a conscientização. O incidente ocorreu antes da entrada em vigor do GDPR, por isso a Optical Center foi multada em conformidade com a lei da França n.º2016-1321 de 07 de outubro de 2016 “Sobre a república digital”.

Junho sob a vigência do GDPR

Não importa o quão foram alarmadas, nem todas as empresas tiveram tempo para se preparar para a entrada em vigor das regras de proteção de dados pessoais do GDPR. Entre as vítimas está a gigante Jaguar Land Rover. A empresa permitiu o vazamento de dados sobre as demissões planejadas, e informações sobre o assunto chegaram à mídia algumas horas antes de os regulamentos entrarem em vigor.

Foram divulgadas informações sobre 647 funcionários que trabalham na empresa Jaguar Land Rover, na Inglaterra. Um dos documentos continha os nomes dos funcionários, dados da folha de pagamento, notas sobre violações disciplinares e a duração de afastamentos médicos. Em outra lista, eram fornecidas informações sobre lesões e deficiências. Em outro arquivo, centenas de nomes estavam marcados em vermelho, e ao lado de alguns havia datas específicas.

Após a publicação no HuffPost UK, o Gabinete do Comissário da Informação Britânico (ICO) disse que iria realizar sua própria auditoria. É muito provável que a Jaguar Land Rover seja a primeira empresa a ser sancionada pelo GDPR.

Serviço genealógico MyHeritage admitiu o vazamento de 92 milhões de contas

MyHeritage, serviço de genealogia e testes de DNA, permitiu o vazamento de dados pessoais, endereços de e-mail, e senhas com hash de mais de 92 milhões de clientes. As informações se aplicam exclusivamente aos usuários que se cadastraram na empresa MyHeritage antes de 26 de outubro de 2017.

Segundo o chefe do departamento de segurança da informação, um pesquisador de SI independente notificou que um arquivo foi encontrado com o nome da empresa no servidor fora dos perímetros da MyHeritage.

A empresa iniciou uma investigação sobre o incidente. O representante da MyHeritage acredita que nenhum outro tipo de dado de usuários foi comprometido, uma vez que as informações sobre cartões de crédito são processadas por terceiros, como PayPal e BlueSnap, e os dados de DNA do usuário são armazenados em sistemas separados.
Data de inclusão: 11/07/2018
Fone: (11) 38152910
Contato: Patrícia Barbosa
Empresa: EPR Comunicação Corporativa
Entrar em contato: Entrar em contato
Grupo editorial: [Empresas][Internet][Tecnologia]
Este Release foi visto 490 vezes

Assessoria de Imprensa
LOGIN -  Inserir Release
Cadastrar Assessoria
Receber Clipping

 

saibamais

 

Clipping para Editores
Cadastrar Midia
Alterar cadastro de Midia
egoi
 
Alguns veículos cadastrados no clipping:
midias
 
 
 
 
 
 
  editora  

INCorporativa Comunicação

Publique seu livro - Saiba mais
   
       
       
       
 
       
 
Institucional
Quem Somos
Política Privacidade
Como funciona
 
Nas Redes Sociais  
Facebook Twitter
Linkedin ME Adiciona
 
Todo o conteúdo divulgado decorre de informações advindas das fontes mencionadas, sendo, portanto, de responsabilidade exclusiva da fonte ou do autor, não cabendo à INC Comunicação, à Revista ou Pautas INCorporativa responsabilidade por citações, teor, exatidão ou veracidade do conteúdo, produto ou serviço divulgado. Indicação de publicações são apenas para divulgação, não sendo avaliados por este veículo de comunicação.