Escrever Bem

   
Pautas INCorporativa
FB   SetaRANKING SetaSala de imprensa SetaBusque Assessorias
 
 
Release
Bookmark and Share      

17/02/2017 - 15:36 - Vervi Assessoria e Comunicações
6 dicas estratégicas para gerenciamento da Cadeia de Suprimentos em 2017
6 dicas estratégicas para gerenciamento da Cadeia de Suprimentos em 2017 - VERVI ASSESSORIA E COMUNICAÇÕES

Wagner Salzano* ...

Siga as #pautas no Facebook e Twitter         www.pautas.incorporativa.com.br
A maioria das pessoas aproveita o início do ano para fazer ou rever planos gerais e estratégicos. Nesta linha, listamos algumas dicas para as empresas gerenciarem adequadamente sua Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) e vencer os desafios que 2017 continuará oferecendo para as empresas brasileiras:

​Se integre com seus Fornecedores-Chaves: para redução de custos, prazos, faltas e problemas fiscais entre outros, sugerimos investir na criação, manutenção e modernização de métodos, processos e sistemas que permitam perfeita troca de informações com os fornecedores. O envolvimento das áreas de TI da empresa e do fornecedor para aperfeiçoamento da troca eletrônica de dados e manutenção de sistemas como VMI (Vendor Managed Inventory), entre outros, trará inúmeros benefícios.
Implemente, de verdade, o Planejamento Tático S&OP: a implementação do planejamento S&OP tem sido uma tendência nos últimos anos, dados os benefícios que este processo trás para a organização, principalmente pela visão integrada que ele oferece. Todavia temos notado que a maioria das empresas acaba por \"customizar\" e flexibilizar demais os procedimentos, que são originalmente bem rígidos, e com isto não conseguem atingir os ganhos potenciais. Como dica, revise a implementação do processo e conte com aconselhamento de consultores especialistas.
Aperfeiçoe a sua Gestão de Estoques: um dos pontos fracos da grande maioria das empresas é a forma como estas fazem a gestão dos seus estoques, tanto matérias-primas, componentes e produtos acabados. Investir neste processo gera grande diferencial na melhoria dos níveis de serviços aos clientes e em grandes reduções de custos de inventários, principalmente evitando geração de novos itens “no moving”. A aplicação de metodologias adequadas e investimentos em sistemas especialistas que substituam planilhas eletrônicas, retornam rapidamente com o balanceamento dos estoques e consequente redução de perdas financeiras decorrentes de custos com excessos de estoques.
Comece a implementar o Lean Supply Chain: fala-se muito no Lean Manufacturing como filosofia para alavancar produtividade e reduzir custos da organização nos processos de manufatura. O que as empresas não atentam porém, é que a implementação isolada do Lean nas operações de manufatura, embora traga muitos resultados positivos, não otimiza os processos da cadeia de suprimentos. Para isto, é necessária a implementação de processos Lean nos processos logísticos (Lean Warehouse, por exemplo) e administrativos (Lean Office), sendo a integração destes Lean´s denominada LSC ou Lean Supply Chain.
Revise seus Modelos de Transportes: o maior custo logístico da grande maioria das empresas é o frete, onde podem estar as maiores oportunidades de melhorias. É importante revisar com frequencia a forma de contratação dos fretes, considerando não somente a modelagem contratual, mas a integração com o planejamento da distribuição. Rever rotas, avaliar modelo de transporte (fracionado, lotação, milk-run, etc.) pode fazer toda a diferença na redução ao mesmo tempo, de custos e de prazos de entrega aos clientes.
Se integre com seus Clientes-Chaves: a ponta final da cadeia também merece nossa atenção, a partir da melhoria da gestão dos canais de distribuição, que levam os produtos ou serviços da empresa ao cliente imediato e até aos clientes finais que irão consumir. O entendimento das necessidades dos clientes, quer sejam atacadistas, indústrias, varejistas ou consumidores finais, é fundamental para o adequado desenho da malha ou rede logística, identificando a necessidade, localização e quantidade de centros de distribuição, pontos de cross-docking ou mesmo estratégias como a contratação de brokers. Neste ponto deve-se ainda considerar os processos de gestão e operação dos armazéns, avaliando operação própria, terceirização, automação logística e sistemas de troca de informações.
Evidentemente que, quando falamos de Supply Chain, a visão não pode ser de implementação de ações isoladas, sendo cada uma destas 6 dicas, dependente das outras. As ações devem estar sempre integradas, a visão deve ser sempre sistêmica, entendendo-se que uma empresa, através de suas diferentes atividades internas e áreas, reage como um ser vivo, onde cada órgão tem suas funções específicas, trabalhando harmonicamente para manter o organismo saudável e pronto para superar seus desafios diários.



*Wagner Salzano é Engenheiro de Produção Mecânica (Universidade Paulista, turma de 1986) com MBA em Administração para Engenheiros (Instituto Mauá de Tecnologia) e gerente da Divisão de Supply Chain da IMAM, com mais de 35 anos de experiência, atualmente é Instrutor de Treinamentos, Palestrante, Articulista da revista Logística e Gerente de Projetos de Consultoria.
Data de inclusão: 17/02/2017
Fone: (11) 25780422
Contato: SimoneBertelli
Empresa: Vervi Assessoria e Comunicações
Entrar em contato: Entrar em contato
Grupo editorial: [Indústria]
Este Release foi visto 109 vezes

Assessoria de Imprensa
LOGIN -  Inserir Release
Cadastrar Assessoria
Receber Clipping
 
Clipping para Editores
Cadastrar Midia
Alterar cadastro de Midia
Dieta21Dias
egoi
Sobrancelha Perfeita
Alguns veículos cadastrados no clipping:
midias
 
 
 
 
 
 
  editora  

INCorporativa Comunicação

Publique seu livro - Saiba mais
   
       
       
       
 
       
 
Institucional
Quem Somos
Política Privacidade
Como funciona
 
Nas Redes Sociais  
Facebook Twitter
Linkedin ME Adiciona
 
Todo o conteúdo divulgado decorre de informações advindas das fontes mencionadas, sendo, portanto, de responsabilidade exclusiva da fonte ou do autor, não cabendo à INC Comunicação, à Revista ou Pautas INCorporativa responsabilidade por citações, teor, exatidão ou veracidade do conteúdo, produto ou serviço divulgado. Indicação de publicações são apenas para divulgação, não sendo avaliados por este veículo de comunicação.